Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
04/09/2017 14:31 | Autor: Editor

Ratinho Jr. vai deixar o governo para estadual tentar viabilizar candidatura

A saída do secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Júnior do cargo – que pode ser confirmada hoje – precipita as articulações para a disputa pela sucessão do governador Beto Richa para as eleições de 2018.

Ele disputa com a vice-governadora a candidatura da situação

Faltando dez meses para o início da campanha, a decisão de Ratinho Jr de deixar o posto na administração estadual para se dedicar ao projeto de chegar ao comando do Palácio Iguaçu deve forçar os demais pré-candidatos ao governo a anteciparem seus movimentos para se preparar para a disputa.
No grupo político de Richa, Ratinho Jr disputa a indicação de candidato com a vice-governadora Cida Borghetti, cuja pré-candidatura vem sendo trabalhada pelo marido e ministro da Saúde, Ricardo Barros.
O principal trunfo da vice é a possibilidade de que ela assuma o governo em abril do ano que vem caso Richa se desincompatibilize para disputar uma vaga no Senado.
Com isso, Cida Borghetti teria condições de se tornar mais conhecida e impulsionar sua pré-candidatura.
Richa, porém, vem mantendo suspense sobre o que pretende fazer, alegando ser muito cedo para tomar qualquer decisão.
A aliados, ele chegou a admitir a hipótese de não disputar a eleição do ano que vem, permanecendo no cargo até o final do mandato, o que frustraria os planos do “clã” Barros.
O mais provável é que o governador só tome uma decisão no final do prazo, até como estratégia para evitar um “racha” em seu grupo político, com uma disputa aberta entre a ala de Ratinho Jr e da vice.
Do outro lado do espectro político está o ex-senador Osmar Dias (PDT), que também já se declarou publicamente pré-candidato ao governo – cargo que disputou e perdeu por duas vezes, em 2006, para Roberto Requião (PMDB) e em 2010, para o próprio Richa.
Osmar vem percorrendo o Estado em encontros com lideranças políticas regionais em busca de apoio e ideias para seu futuro programa.
Ele tem sofrido assédio de diversos partidos, a começar pelo “Podemos”, nova sigla de seu irmão e pré-candidato à Presidência da República, Alvaro Dias.
Por enquanto, ele mantém suspense sobre o que pretende fazer, alegando que só definirá partidos ou alianças após a aprovação da reforma política, que deve acontecer até o início do mês que vem.
Além do Podemos, ele já teve convites para migrar para o PMDB do presidente Michel Temer.