Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
08/02/2018 11:20 | Autor: Editor
Fonte: CGN

Caso de sequestro é registrado em Cascavel; forças de segurança tentam esconder caso

Bancário precisou pagar R$ 300 mil para liberar família...

Um caso de sequestro foi registrado no começo da semana, no Bairro Universitário, em Cascavel.

Segundo o que a CGN apurou com fontes policiais, a família de um funcionário de um banco privado teria sido sequestrada.

O homem teria ido sozinho até a agência do Bradesco, no São Cristóvão, onde trabalha, enquanto um dos ladrões permanecia com os familiares dele reféns.

O funcionário do banco retirou, então, R$ 300 mil do cofre para pagar o resgate aos criminosos.

O dinheiro teria sido deixado em caixas de papelão no Bairro Santa Cruz, em um local, combinado diretamente com os sequestradores.

Somente após deixar o dinheiro, ele voltou ao banco e sem saber se a família estava liberada avisou a polícia.

A família refém foi liberada no período da tarde de terça-feira, em uma área rural, sem ferimentos.

Há informação extraoficial de que os marginais envolvidos no sequestro teriam sido identificados.


Blindagem

Todas essas informações foram repassadas por policiais, tendo em vista a dificuldade da imprensa em ter acesso a informações diretamente com a Polícia Civil e Polícia Militar (de forma institucional).

A CGN tentou contato com o 5º Comando Regional da Polícia Militar, com o 6º Batalhão de Polícia Militar e com a 15ª Subdivisão Policial, para conseguir detalhes da ocorrência, registrada ainda na segunda-feira.

O 5º Comando Regional informou que o caso foi atendido pelo 6º BPM. O comando do 6º BPM informou que o caso foi repassado para a delegacia de Polícia Civil e que não houve divulgação dos fatos por questões de segurança e para não atrapalhar as investigações.

O delegado Rodrigo Baptista, que responde pela chefia da 15ª SDP, não atendeu as diversas ligações, nem retornou as mensagens até às 09h48.

A delegada Ana Palodetto, que seria responsável pela investigação do sequestro, disse nesta manhã que não pode se pronunciar sobre o crime, dando esclarecimentos para a população.

Entre os policiais, a informação era de blindagem do caso. Os agentes de segurança contactados pela reportagem disseram que a ordem era para que o caso não vazasse.