Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
15/05/2018 15:27 | Autor: Editor

Pré-candidatos no Paraná ignoram vaquinhas online

Coligações ainda se agarram nos recursos que virão do Fundo Eleitoral.


Autorizados a partir de hoje a iniciar arrecadação para financiamento coletivo online, os partidos e pré-candidatos ao governo do Paraná ainda não dispõem das ferramentas, consideradas auxiliares na composição de caixa para as campanhas.
As coligações paranaenses ainda se agarram nos recursos que virão do Fundo Eleitoral, que terá 1 bilhão e 710 milhões de reais de recursos do Orçamento, e do Fundo Partidário, que ao todo tem 888 milhões de reais distribuídos às legendas.
Liberado neste ano por meio de resolução do TSE para ser usado em campanhas, o Fundo Partidário, que também é dinheiro público, poderá ser somado ao Fundo Eleitoral e até 2018, os recursos do fundo deveriam ser aplicados apenas nas atividades extra-eleitorais dos partidos.
Outra novidade que vem dessa resolução é a permissão para que os candidatos possam financiar, com recursos próprios, 100% de suas campanhas eleitorais.
Incluindo as doações de pessoas físicas, esses quatro pilares devem compor a sustentação financeira legal das campanhas eleitorais.
O financiamento por meio de “vaquinhas” online, no entanto, deve representar a menor das fatias.
Novidade desta eleição, o financiamento de pessoa física pela internet é mais atrativo para partidos com histórico de militância ativa, como PT, PSOL e REDE.
O PT do Paraná, de acordo com a legislação, ainda precisa finalizar a campanha mais recente criada para financiar o acampamento de apoio ao ex-president Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde o dia 7 de abril.
Por meio de doações online, o partido teria arrecadado média de 250 mil reais por semana para esta campanha e caso restem “sobras”, o dinheiro do acampamento também poderá ser destinado à campanha eleitoral.
O presidente do PT do Paraná, Doutor Rosinha, pré-candidato ao governo, afirma que a arrecadação online para a campanha ao governo deve começar a partir do dia 1º de junho.
Nenhum dos pré-candidatos ao governo do Paraná começou o processo de arrecadação online.
O ex-senador Osmar Dias (PDT) ainda nem providenciou contato com empresas para doações.
Mesmo mais decidido e com a pré-campanha ao governo evidente em diversos pontos do Estado, o deputado estadual Ratinho Junior (PSD), , também não providenciou o financiamento na internet.
A coordenação da campanha da governadora Cida Borghetti (PP) se reuniu ontem com representantes de uma das empresas credenciadas no TSE, contudo, ainda não há previsão de quando a ferramenta estará no ar.