Rádio Difusora

(45) 3284-8080
30/11/2018 14:35 | Autor: Editor

Agronegócio brasileiro de olho em reunião entre Estados Unidos e China

A reunião G20 começa finalmente hoje, na Argentina, e irá promover o tão esperado encontro entre Donald Trump e Xi Jinping, deixando os mercados ainda mais ansiosos.


Em um dos principais focos está a soja


As expectativas são as mais diferentes possíveis e não dão qualquer sinalização efetiva do que poderia acontecer depois de se reunirem os líderes das duas maiores economias do mundo.
Para especialistas, um acordo entre os dois que pudesse colocar fim à essa guerra comercial ou ao menos amenizá-la parece estar distante.
O discurso dos dois presidentes se endureceram nos últimos dias e, de acordo com especialistas internacionais, a relação que já está bastante desgastada poderia ficar ainda pior.
Em um dos principais focos da disputa está a soja.
Embora no contexto amplo e geral da guerra comercial esse seja apenas um pequeno ponto entre as pautas que chineses e americanos têm a discutir, para o Brasil, essa é uma discussão de extrema importância e que irá continuar definindo a dinâmica do comércio da soja.
Desde o início do conflito, a nação asiática focou suas compras no mercado brasileiro e os volumes embarcados nos portos nacionais têm batido recordes mês após mês.
No acumulado da temporada, as exportações de soja do Brasil já totalizam quase 79 milhões de toneladas e, caminhando nesse ritmo, podem passar de 80 milhões no ano.
O número já supera todas as estimativas para a temporada.
Dados da Administração Geral das Alfândegas da China divulgou, nesta semana, que em outubro as importações chinesas de soja brasileira foram de 6,53 milhões de toneladas, contra 3,38 milhões do mesmo mês de 2017.
O volume corresponde a 94% do total importado pelo país.