Conectado com

Geral

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro

(Foto: Divulgação/Abiec)

Com isso, a carne bovina ao consumidor já acumula alta de 13,39% nos 12 meses até novembro

A inflação das carnes deverá seguir pressionando o orçamento das famílias até a virada de janeiro para fevereiro, mas o movimento é pontual e não muda o cenário mais geral da dinâmica de preços, especialmente de serviços e bens duráveis, que segue oferecendo espaço para mais uma queda na taxa básica de juros (Selic, hoje em 5,0% ao ano). A avaliação é do coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), André Braz.

Mais cedo, a FGV informou que Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) de novembro acelerou para 0,85% em novembro, ante a alta de 0,55% registrada em outubro. Em meio ao aumento das exportações para a China por causa do impacto da peste suína africana (PSA) naquele país, a inflação das carnes foi destaque na aceleração, tanto no atacado quanto no varejo.

“As carnes poderão continuar subindo até lá pelo fim de janeiro, ou início de fevereiro, quando devem apresentar alguma desaceleração. Essas deficiências de mercado não se mantêm por muito tempo”, afirmou Braz, numa referência aos fatores que têm impulsionado a demanda da China pelas carnes brasileiras.

O destaque entre esses fatores é a PSA, que atingiu o rebanho chinês este ano, obrigando o gigante asiático a importar mais. A demanda por carne bovina e de frango vai a reboque, dado o tamanho do mercado da China, disse Braz. E o Brasil tem sido privilegiado como fornecedor não só por ser o maior produtor global, como pelo fato de as disputas comerciais atrapalharem as compras chinesas dos Estados Unidos e de uma seca ter afetado a produção na Austrália. Além disso, a desvalorização do real torna a carne brasileira mais competitiva.

Somado ao quadro favorável para as exportações para a China, o aumento sazonal da demanda, marcado pelas festas de fim de ano, formaram a tempestade perfeita sobre os preços das carnes. Braz identifica no fim desse crescimento sazonal da demanda, no início de 2020, o ponto de virada para a desaceleração da inflação das carnes – o que significa a manutenção dos preços no novo nível mais elevado.

“Mesmo que as exportações se mantenham em alta, há um limite para esses aumentos de preços”, afirmou Braz, lembrando da demanda enfraquecida pelo baixo crescimento da atividade econômica como limitador de repasses.

Segundo Braz, a desaceleração da inflação das carnes será rapidamente sentida pelos consumidores, porque a transmissão entre atacado e varejo é quase imediata – muito consumidas, as carnes costumam ter estoques pouco elevados, que giram rapidamente.

No IPA-DI, componente do IGP-DI que representa o atacado, a variação do preço médio dos bovinos vivos acelerou de 2,85% em outubro para 15,63% em novembro. O preço médio da carne bovina passou de uma alta de 5,18% em outubro para um salto de 13,73% em novembro. No IPC-DI, que apura a evolução de preços no varejo, as carnes bovinas aceleraram de 1,07% para 8,00%. Apenas o corte bovino “alcatra” acelerou de 1,99% em outubro para 11,81% em novembro, enquanto o “chã de dentro” passou de 2,42% para 10,9%.

Com isso, a carne bovina ao consumidor já acumula alta de 13,39% nos 12 meses até novembro. A reboque, a carne suína avança 12,87% em 12 meses, enquanto a alta acumulada no frango inteiro é de 6,37%. De acordo com Braz, o “efeito substituição”, quando as famílias aumentam as compras de outros tipos de carne quando os cortes bovinos ficam mais caros, é o principal responsável pela contaminação da inflação para as carnes suína e de frango. Além disso, a demanda maior da China ocorre em todos os tipos de carne, lembrou o pesquisador.

Mesmo assim, segundo Braz, o comportamento do “núcleo” do IPC-DI sustenta a percepção de que a inflação das carnes tende a não se espalhar na economia, especialmente para os preços dos serviços e dos bens duráveis. O “núcleo” (usado para mensurar tendências e calculado a partir da exclusão das principais quedas e das mais expressivas altas de preços) no varejo acelerou de 0,15% em outubro para 0,23% em novembro. Em 12 meses, a alta acumulada é de 3,23%, ainda abaixo da meta de inflação perseguida pelo Banco Central (BC), de 4,25% em 2019.

“Nada se alterou no quadro”, disse Braz, completando que “tudo continua favorável” para mais um corte nos juros.

 

Fonte: BandaB

Continue Lendo
Publicidade

Geral

Saúde realiza capacitação sobre manejo de curativos e cicatrização de feridas

A Secretaria de Saúde de Marechal Cândido Rondon promoveu, entre terça-feira (22) e hoje (25), a primeira capacitação sobre feridas, coberturas e curativos. Os trabalhos foram conduzidos pela enfermeira Andréia Guissardi, responsável pelo Controle de Infecção Hospitalar e pelo Núcleo de Segurança do Paciente, pela enfermeira Bruna Thalita Correa Cunha, coordenadora do SAD (Serviço de Atendimento Domiciliar) e pelo doutor Carlos Martins Fontes, médico do SAD.

O público-alvo dos sete grupos esteve formado por médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem da Secretaria Municipal de Saúde lotados na UPA (Unidade de Pronto Atendimento), Hospital Municipal Dr. Cruzatti, UBS (Unidades Básicas de Saúde) e SAD.

Presente na abertura da capacitação, a secretária municipal de Saúde, Marciane Specht, expôs que o objetivo foi abordar conceitos importantes no processo de cicatrização de feridas, fases de cicatrização, o manejo adequado, bem como a orientação sobre os materiais disponibilizados pela administração municipal para serem utilizados como coberturas de feridas e de lesões.

“Nosso município conta com uma boa estrutura de materiais e de coberturas, sendo necessário que os profissionais estejam alinhados em torno de um mesmo protocolo visando à tomada de decisões e condutas para que o tratamento das feridas e das lesões seja bem-sucedido”, frisa Marciane.

Pode ser uma imagem de 4 pessoas e pessoas em pé

Pode ser uma imagem de 8 pessoas, pessoas sentadas e pessoas em pé

Pode ser uma imagem de 2 pessoas, pessoas em pé e texto que diz "Tipos de desbridamento desbridamento Desbridamento de hiperqueratose 3Hangawor SKINaOP KangliFilm"

Nenhuma descrição de foto disponível.

Pode ser uma imagem de área interna

Nenhuma descrição de foto disponível.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Nenhuma descrição de foto disponível.

 

Fonte: Assessoria

Continue Lendo

Geral

Revitalização das fachadas do centro de eventos rondonense

Segue a revitalização das fachadas do centro de eventos rondonense. A parte frontal, após receber lixamento, correção de rachaduras e substituição de madeiras danificadas, começa a ser pintada. A empresa vencedora do processo licitatório é a Raport Pinturas LTDA. O valor do investimento é de R$ 368.680,25, com recursos próprios do município.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa e ao ar livre

Fonte: Assessoria

Continue Lendo

Geral

Presos envolvidos em assalto com sequestro da vítima em Marechal Rondon

Dois homens, de 32 e 35 anos, foram presos após sequestrar uma pessoa e roubar a caminhonete dela, no início da noite desta quinta-feira, em Marechal Cândido Rondon.

Segundo informações da Polícia Militar de Toledo, dois veículos foram avistados andando em alta velocidade, ao receberem voz de parada, o Fiat Stilo estacionou na frente de um estabelecimento comercial e a Toyota Hilux empreendeu fuga.

O motorista tentou atropelar um policial, que conseguiu efetuar três disparos no pneu traseiro.

Em certo momento, a caminhonete rodou na pista e os ocupantes começaram a fugir a pé, mas foram abordados logo em seguida.

A equipe policial ainda recebeu informações de que eles amarraram a vítima e jogaram ela no meio do mato.

Eles ainda obrigaram ela a fazer a transferência de 1 mil via Pix.

Com eles havia duas chaves micha e 119 reais em espécie e foram até Toledo para tentar esconder o veículo que haviam roubado.

Equipe da PM encaminhou os dois detidos para a 20ª SDP de Toledo, onde ficam a disposição da Justiça.

 

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.