Conectado com

Agricultura

Cenário favorável para o milho deve prevalecer nos próximos meses

Mesmo assim produtor precisa ficar atento as definições da safra americana

 

A expectativa de empresas de consultoria e profissionais que atuam acompanhando o comportamento do atual cenário brasileiro do milho , onde a a colheita da segunda safra está chegando ao final em todo o Brasil, é de que o ambiente continuará favorável por mais alguns meses.

A produção desta segunda safra deve atingir o patamar de 70 a 72 milhões de toneladas, totalizando 100 milhões de toneladas ao unir os números da safra verão, e cerca de 70% da safrinha já foi negociada, com preços bastante atrativos aos produtores.

No tocante as exportações, o Brasil já embarcou 19 milhões e meio de toneladas até o mês de agosto, e espera atingir as 25 milhões de toneladas já em setembro, finalizando o ano com aproximadamente 35 milhões, mantendo o ritmo de alta.

Apesar do alto índice exportado, não deverá faltar milho no Brasil, mas, mesmo assim, os preços devem seguir ganhando força, o que garante uma melhor oportunidade ao produtor para armazenar o restante de sua produção para buscar vendas em outros momentos.
O produtor brasileiro também precisa ficar atento as definições da safra americana.

Com a redução da área cultivada na produção dos Estados Unidos, e essa incerteza com relação aos números finais de quanto foi efetivamente plantado e quanto será aproveitado na colheita pode indicar uma tendência de alta na Bolsa de Chicago para os próximos meses.

Continue Lendo
Publicidade

Agricultura

Ministério da Agricultura alerta agricultores para os perigos do Covid 19

Com a pandemia do Coronavírus, o Ministério da Agricultura, publicou um alerta para a importância do reforço de medidas de prevenção ao vírus no meio rural.

Circulação de mercadorias, logística e transporte são as maiores preocupações

Os cuidados devem ser adotados, pois animais, pessoas, veículos e equipamentos que entram na propriedade podem ser fonte de contaminação do vírus para os trabalhadores, já que o vírus Covid-19 fica nas superfícies por um tempo.

“O vírus não atinge animais e vegetais [não transmitem], mas a higienização de alimentos continua sendo fundamental e necessária para mantê-los seguros antes de cozinhá-los”, destaca Luís Eduardo Pacifici Rangel, diretor do Departamento de Análises Econômicas e Políticas Públicas do Ministério da Agricultura.

Segundo elem nesse momento, há necessidade e urgência de se reforçar medidas de higiene em todas as etapas da cadeia de produção dos alimentos, principalmente no transporte e manipulação das mercadorias nos centros de distribuição.

O Brasil tem o maior rebanho comercial bovino, com cerca de 213 milhões e meio de cabeças, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

São mais de 15 milhões de pessoas ocupadas nos estabelecimentos agropecuários espalhados por todo território nacional.

A área agrícola cresceu 3,3% entre 2016 e 2018, de acordo com o monitoramento do instituto e são mais de 664 mil km², o equivalente a 7,6% do território nacional.

“Esses números mostram a dinâmica do setor, que envolve inúmeros elos da cadeia produtiva”, observa Orlando Melo de Castro, diretor do Departamento das Cadeias Produtivas do Mapa ao destacar a importância dos produtores rurais e transportadores de alimentos e bebidas, que estão na linha de frente do setor, adotar recomendações dos órgãos de saúde para prevenir o contágio e a transmissão do Covid- 19.

Toda cadeia produtiva de alimentos e bebidas é atividade considerada essencial de acordo com o Decreto 10.282, de 20 de março de 2020.

As regras higiênico-sanitárias da produção agropecuária já são amplamente conhecidas e aplicadas regularmente pelos produtores rurais, refletindo a excelência da produção brasileira.

Há uma série de recomendações que devem ser tomadas principalmente na circulação de mercadorias e cuidados pessoais na logística e os transportadores, especialmente, devem observar essas orientações.

Continue Lendo

Agricultura

Produção de grãos pode superar 41 milhões de toneladas no Paraná

A primeira estimativa da safra de inverno, divulgada nesta sexta-feira pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, aponta que a produção total de grãos no Paraná poderá chegar a 41 milhões e 200 mil toneladas.

Esse volume é 14% superior ao da safra 18/19, quando foram produzidas 36 milhões e 200 mil toneladas.

Os dados do Departamento de Economia Rural mostram uma evolução significativa da colheita da soja, que alcançou 85% da área estimada.

Já a perspectiva de produção chegou a 20 milhões e 700 mil toneladas, um recorde histórico para o Paraná, 28% maior do que o volume produzido na safra anterior.

Com a evolução do milho safrinha, a área pode ter redução de 2%, porque houve atraso na colheita da soja, o que retardou a semeadura.

Ainda assim, a produção deve superar 12 milhões de toneladas.

O secretário Norberto Ortigara destacou que os trabalhos no campo seguem apesar da pandemia do coronavírus…..

 

Continue Lendo

Agricultura

Governo recua, atende entidades e mantém a Tarifa Rural Noturna

Um dia após comunicar a suspensão da Tarifa Rural Noturna o governo do Paraná voltou atrás e decidiu pela manutenção do benefício.

A decisão do Governador Ratinho Jr foi oficializada após uma reunião de emergência com os secretários de Estado e a diretoria da Companhia Paranaense de Energia e o próprio governador.

Logo após a confirmação o secretário chefe da casa civil, Guto Silva disse que o governo compreende o momento crítico que todos estão vivendo, com a pandemia do coronavírus, e a manutenção do Programa da Tarifa Rural Noturna está garantida.

Ele acrescentou que o produtor paranaense pode descartar a mensagem que recebeu suspendendo a tarifa, porque já nos próximos dias uma nova será repassada com a manutenção do programa.

Por sua vez o presidente da Faep, Ágide Meneguette, afirmou que o governo do Estado foi sensível ao oficializar a continuidade do Programa Tarifa Rural Noturna, ainda mais neste momento em que os produtores precisam produzir para garantir o alimento à população.

O benefício criado em 2007, por meio da Lei Estadual 19.812, aprovada em fevereiro de 2019, permite que os produtores paranaenses, principalmente os envolvidos com pecuária, tenham o desconto de 60% na tarifa para consumo rural no horário entre 21 horas e 30 minutos às 6 horas do dia seguinte.

O presidente do Sindicato Rural de Marechal Cândido Rondon, Edio Chapla, diz a decisão do governo decorre da pressão exercida pela Faep e os Sindicatos Rurais pela manutenção do beneficio..

 

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.