Conectado com

Geral

Comitê Resistência e Solidariedade entrega mais 20 cestas emergenciais e material escolar

O Comitê Resistência e Solidariedade é constituído por sindicatos, movimentos sociais e entidades estudantis e seu objetivo é fortalecer a solidariedade entre os trabalhadores do campo e da cidade para resistir contra a retirada de direitos da classe trabalhadora, lutar em defesa dos serviços públicos e pressionar os governos para agilizar as ações emergenciais necessárias. Foi constituído em abril de 2020 e desde então já desenvolveu sete etapas de suas atividades, sendo a última concluída recentemente, com a distribuição de mais 20 cestas emergenciais (todas entregues na cidade de Marechal Cândido Rondon) e material escolar (cadernos, lápis, cadernos de desenho, borrachas, apontadores, réguas, cola…) para 23 crianças indígenas da comunidade indígena Pohã Renda, em Terra Roxa. Com isto o CRS-MCR já distribuiu diretamente 281 cestas, com recursos arrecadados através de doações individuais e dos sindicatos dos trabalhadores da educação pública básica e da Unioeste (APP-Sindicato, ADUNIOESTE, SINTEOESTE).

Além disso, já viabilizamos também a doação de álcool em gel, máscaras face shield (viseiras), medicamentos e roupas e cobertores para comunidades indígenas, bem como doação de roupas e de material de construção para o Quilombo Manoel Ciríaco dos Santos, em
Guaíra. O Comitê também apoiou e participou da distribuição de 2.480 cestas básicas, em diversas etapas, nas 14 aldeias indígenas de Guaíra, Terra Roxa, Santa Helena e Itaipulândia feita pelo CAPA (Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia) e CTI (Centro de Trabalho Indigenista).

Vivemos hoje o pior momento da Pandemia e sabemos que não perspectiva de melhora enquanto não houver uma política nacional coordenada de contenção. Neste contexto, a distribuição das cestas, constituídas de 16 itens de alimentos e 5 de limpeza e higiene, visa amenizar a terrível situação vivenciada por crescente número de trabalhadores. Infelizmente, nosso país tem o pior governo do mundo no enfrentamento à Pandemia, conforme pesquisa do Lowy Institute (Austrália).

O governo Bolsonaro decidiu não enfrentar a pandemia, militarizou o Ministério da Saúde, recusou a compra de vacinas eficazes e não educa a população para os cuidados mais básicos, como o uso correto de máscaras. Enquanto diversos países tomaram medidas concretas e conseguiram conter a pandemia e evitar alto número de mortes, e com isto puderam inclusive retomar a normalidade e reverter os prejuízos econômicos, no Brasil temos muitas vezes mais mortes que a média mundial e crise econômica que só piora. Ao completar um ano de Pandemia, seguem aumentando os casos e óbitos e temos a circulação de uma nova variante muito mais transmissível, que é um resultado da transmissão descontrolada.

A vacinação para todos no menor prazo possível deveria ser a primeira prioridade nacional. No entanto, no ritmo atual, o país levaria quatro anos imunizar toda a população. É imprescindível garantir vacina para todos, que é a única forma de interromper a pandemia. Em nossa cidade, vivemos um momento muito difícil, com grande aumento do número de casos e óbitos e é urgente suspender as aulas presenciais, estabelecer medidas mais rigorosas e intensificar os cuidados.

O governo federal continua deseducando a população, propagando medicamentos comprovadamente ineficazes, omitindo informações, restringindo testes, desprotegendo os profissionais da saúde, vetando leis imprescindíveis como a que torna obrigatório o uso de máscaras em espaço público e desqualificando as vacinas que são a única possibilidade real de superar a pandemia. É imprescindível prorrogar o valor do Auxílio Emergencial e ao mesmo tempo garantir mais recursos para Saúde e Educação, tributando as grandes fortunas, ao contrário do que hoje propõe o governo. Somos contra o desmontedo Estado, defendemos Saúde Pública para todos, como defendemos Educação, Previdência Social e Direitos que devem ser garantidos pelo Estado.

 

 

Marechal Cândido Rondon. 26 de fevereiro de 2021.

Continue Lendo
Publicidade

Geral

Vacinação para rondonenses com 64 anos, 1o dose, segue neste sábado (16) até as 13h: procura até agora tem sido baixa

Reportagem Maiko Bücker

Continue Lendo

Geral

Grave acidente envolve três veículos na BR-467 em Toledo

Um acidente envolvendo três veículos foi registrado no início da noite desta sexta-feira (16), na BR-467, altura do “Lago Novo”, em Toledo. A colisão envolveu uma Van Renault Master, uma caminhonete Chevrolet e uma Hilux.

Segundo informações coletadas no local pela reportagem do Toledo News, a  caminhonete Chevrolet seguia pela rodovia no sentido Toledo/Marechal quando o condutor realizou o contorno para ir em direção à Cascavel.

Naquele momento, houve a colisão com a Hilux, que seguia pela rodovia em direção a Cascavel. Com o impacto, a Hilux saiu da pista e capotou.

Após o primeiro impacto, a Van Renault Master, que também seguia para Cascavel, colidiu com a  caminhonete Chevrolet.

O Corpo de Bombeiros e o SAMU foram acionados e socorreram três pessoas, todas com ferimentos sem maior gravidade. Todas foram encaminhadas para atendimento médico em Toledo.

A Polícia Rodoviária Federal esteve no local realizando os levantamentos.

Fonte: Toledo News

Continue Lendo

Geral

Paraná intensifica vacinação de idosos com mais de 60; veja distribuição por Regional

Mais 363.340 doses de vacinas contra o coronavírus foram distribuídas às 22 Regionais de Saúde do Paraná nesta sexta-feira (16). 1.358.411 paranaenses já receberam pelo menos a primeira dose dos imunizantes.

 

Mais 363.340 doses de vacinas contra o coronavírus foram distribuídas às 22 Regionais de Saúde do Paraná nesta sexta-feira (16). A 13ª remessa recebida pelo Ministério da Saúde é composta por 138.090 doses da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan/Sinovac, e 225.250 doses da Covishield, produzida pela Universidade de Oxford/AstraZeneca/Fiocruz.

As doses da Coronavac são subdivididas em três grupos de primeiras doses e dois de segundas doses. As primeiras doses são destinadas a pessoas de 60 a 64 anos (12.120 doses, equivalente a 1,86% dessa população), trabalhadores das forças de segurança e salvamento e armadas (2.510 doses, correspondente a 6% dos profissionais no Estado) e trabalhadores de saúde (8.910 doses, equivalente a 3% do grupo).

Já as doses de reforço devem completar a imunização de 6.320 trabalhadores da saúde e 108.230 pessoas de 65 a 69 anos. Parte das doses de Coronavac recebidas do Ministério da Saúde foram destinadas à reserva técnica e continuam armazenadas no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar).

As doses da Covishield, por sua vez, são totalmente destinadas à primeira dose. São 222.215 doses para pessoas de 65 a 69 anos, o que deve cobrir cerca de 46% deste grupo no Estado. Também foram incluídas 3.035 doses para pessoas de 60 a 64 anos, 0,49% do total desta população.

As doses foram distribuídas por via terrestre para 11 regionais: Paranaguá, Metropolitana, Ponta Grossa, Irati, Guarapuava, União da Vitória, Pato Branco, Francisco Beltrão, Londrina, Telêmaco Borba e Ivaiporã. Por avião, foram enviadas para as demais regionais: Foz do Iguaçu, Cascavel, Campo Mourão, Umuarama, Cianorte, Paranavaí, Maringá, Apucarana, Cornélio Procópio, Jacarezinho e Toledo.

Beto Preto, secretário estadual de Saúde, destacou nesta sexta (16) a melhora nos indicadores da pandemia, mas reforçou que, além da vacinação, todo cuidado ainda é necessário. “Estamos vendo o resultado de 40 dias de restrições mais rígidas na diminuição de casos mais graves. É um pouco por conta da vacinação, um pouco pelas restrições dos decretos, um pouco pelos cuidados dos cidadãos, mas o vírus continua circulando. Segundo o balanço dos testes do IBMP [Instituto de Biologia Molecular do Paraná], continuamos com 30% de positividade em todos os testes realizados. Até 5%, a pandemia está controlada. Por isso, estamos em alerta todos os dias”, afirmou.

INFLUENZA – As Regionais também receberam imunizantes para o combate a outro vírus: o Influenza. São 292.800 doses da vacina da gripe, que funcionam com dose única, sem precisar de reforço. A primeira fase da vacinação, que vai até 10 de maio, inclui crianças de seis meses a cinco anos, trabalhadores de saúde, indígenas, gestantes e puérperas.

MEDICAMENTOS – Também foram enviadas 319 mil unidades de medicamentos referentes ao kit intubação, utilizados em pacientes com quadros graves de Covid-19.

VACINAÇÃO – Até esta sexta-feira (16), 1.358.411 paranaenses haviam recebido pelo menos a primeira dose dos imunizantes. O número corresponde a 29,31% da população inserida nos grupos prioritários da vacinação, e a 13% da população paranaense.

Das primeiras doses já distribuídas, 94,6% foram aplicadas. Das segundas doses, a taxa de aplicação está em 41,2% (411.697) – uma vez que requerem um intervalo de tempo entre as doses, sendo de 21 dias para a Coronavac e 12 semanas para a Covishield.

A expectativa da Secretaria Estadual da Saúde é de vacinar, até o fim de maio, todos os 4.635.123 paranaenses incluídos nos grupos prioritários.

CORUJÃO – A estratégia de vacinação contra a Covid-19 ganhou mais um incentivo nesta quinta-feira (15) com a estreia do Corujão da Vacinação: a extensão, até meia-noite, do horário de aplicação de doses pelos municípios. A ideia é possibilitar a imunização de uem Doze municípios aderiram à campanha: Campina Grande do Sul, Colombo, Cornélio Procópio, Jacarezinho, Londrina, Maringá, Morretes, Paranaguá, Pinhais, Piraquara, Pontal do Paraná e Quatro Barras.

A campanha se soma também à campanha de domingo a domingo, que estimula os municípios a aplicarem a vacina também aos finais de semana.

“Vacina no estoque não imuniza ninguém. Ela imuniza apenas se estiver aplicada no braço dos paranaenses”, afirmou Beto Preto. “Tanto o Corujão como a campanha de domingo a domingo são iniciativas que têm como premissa fazer chegar a informação de que precisamos vacinar. Os horários alternativos estimulam as pessoas a saírem de casa para isso. Hoje, muitos não estão comparecendo na data marcada para a segunda dose. Nós precisamos tomar a segunda dose no prazo correto para garantir a imunidade plena destas pessoas”.

Confira a quantidade de doses nesta remessa:

1ª RS – Paranaguá – 9.305 doses

2ª RS – Metropolitana – 108.795 doses

3ª RS – Ponta Grossa – 17.480 doses

4ª RS – Irati – 4.870 doses

5ª RS – Guarapuava – 13.285 doses

6ª RS – União da Vitória – 5.335 doses

7ª RS – Pato Branco – 8.815 doses

8ª RS – Francisco Beltrão – 12.095 doses

9ª RS – Foz do Iguaçu – 12.910 doses

10ª RS – Cascavel – 17.070 doses

11ª RS – Campo Mourão – 12.000 doses

12ª RS – Umuarama – 9.730 doses

13ª RS – Cianorte – 5.180 doses

14ª RS – Paranavaí – 9.275 doses

15ª RS – Maringá – 28.610 doses

16ª RS – Apucarana – 12.920 doses

17ª RS – Londrina – 33.685 doses

18ª RS – Cornélio Procópio – 8.615 doses

19ª RS – Jacarezinho – 10.030 doses

20ª RS – Toledo – 13.520 doses

21ª RS – Telêmaco Borba – 5.015 doses

22ª RS – Ivaiporã – 4.800 doses

TOTAL – 363.340 doses.

 

 

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.