Conectado com

Policial

Delegado dá detalhes de elucidação de homicídio no interior de Santa Helena

Na tarde de ontem, segunda-feira, o delegado de Polícia Civil de Santa Helena, Geraldo Evangelista de Souza, realizou uma coletiva de imprensa para falar sobre o caso do assassinato de Ilmar Peiter, ocorrido no dia 14 de abril de 2019.

A vítima foi rendida por alguns homens ao chegar de madrugada em sua residência, localizada nas proximidades da PR 488, na Linha Buricá, interior de Santa Helena.

Horas mais tarde, o corpo de Ilmar foi encontrado dentro de sua camionete, uma Hillux de cor preta, em meio a uma lavoura de milho, no distrito de Moreninha, interior do município de Santa Helena.

Segundo o delegado, duas pessoas que estavam com mandado de prisão temporária em aberto, se apresentaram de livre e espontânea vontade na comarca de Foz do Iguaçu..

 

Continue Lendo
Publicidade

Policial

Polícia prende elemento que participou de agressões que levaram rondonense em estado grave para Toledo

A Policia Militar de Marechal Cândido Rondon foi acionada nas ultimas horas, para registrar uma ocorrência de agressão física, ocorrida em frente a um comércio,na Avenida Irio Jacob Welp.

No local, um homem apresentava ferimentos na cabeça, tórax e pernas, onde segundo populares, três jovens teriam praticado a agressão, com socos e chutes, e ate tijoladas.

A vitima recebeu o primeiro atendimento do SAMU ainda no local e depois foi encaminhada para atendimento médico.

A Polícia Militar registrou o Boletim de Ocorrência e encaminhou o caso para Polícia Civil de Marechal Cândido Rondon.

A vitima foi identificada como Luiz Carlos da Silva, 34 anos, que devido a gravidade dos ferimentos, incluindo suspeita de traumatismo craniano, foi transferida para o Hospital Bom Jesus na cidade de Toledo.

Durante investigação, a Polícia Civil identificou um dos agressores, que foi preso hoje, no Jardim Paraíso: ele tem 19 anos e confessou que participou das agressões, tendo atirado um “tijolo” na vítima.

Contra ele foi lavrado flagrante de delito pela prática do crime de lesão corporal grave, com pena prevista em até 05 anos.

Contudo, segundo o delegado Rodrigo, com as demais apurações e as condições da vítima, podendo o caso evoluir para uma lesão corporal gravíssima ou até tentativa de homicídio, ou homicídio, a pena pode ser ainda maior.

As diligências continuam para tentar identificar e prender os outros dois elementos, envolvidos na agressão.

A vitima, Luiz Carlos da Silva, 34 anos, segue internada em estado grave no Hospital Bom Jesus de Toledo.

Continue Lendo

Policial

Deputado destaca projeto para reduzir superlotação carcerária no Paraná

Divulgação

O deputado estadual Coronel Lee, que no sábado passado visitou Marechal Cândido Rondon, “deposita suas fichas” em Parcerias-Público-Privada para amenizar o problema da superlotação carcerária.

 

Em 2012, logo após ter assumido o governo do Paraná, Beto Richa, frisou que não mediria esforços para solucionar um dos grandes problemas há muitos anos enfrentados no Estado: a superlotação carcerária.

No ano seguinte, depois de anunciar a transferência de 8 mil e 500 detentos que estavam em carceragens de cadeias para penitenciárias, o então governador assinou um convênio com a Caixa Econômica Federal para a construção de 14 novos presídios.

Na ocasião, repetiu o prognóstico, qual seja que estaria praticamente resolvendo o problema da superlotação carcerária nas delegacias.

Em 2019, seis anos depois da manifestação de Richa, o governador Ratinho Jr. Garantiu que estava fazendo um planejamento para diminuir e desafogar as delegacias e tentar, em um médio prazo, zerar a demanda de vagas.

Dos 14 presídios prometidos na gestão passada pouco foi feito quanto a superlotação carcerária no Estado.

Quem se diz preocupação com a situação é o deputado estadual Coronel Lee, que, no sábado passado, ao visitar Marechal Cândido Rondon, revelou o que deve ser feito para amenizar o problema…

Continue Lendo

Policial

Fuga de presos no Paraguai provoca reforço da segurança nas fronteira

O Ministério da Justiça e Segurança Pública determinou neste domingo o bloqueio da fronteira entre Brasil e Paraguai no trecho que corresponde ao Mato Grosso do Sul.

 São presos da mais alta periculosidade 

O bloqueio é motivado pela fuga de 76 integrantes de uma facção brasileira que estavam na Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, na madrugada de domingo.

A cidade fica na fronteira com Ponta Porã, Mato Grosso do Sul.

Segundo o governo paraguaio, há cidadãos dos dois países entre os fugitivos.

A ação determinada pelo ministro Sergio Moro é um reforço de policiamento com helicópteros e barreiras.

O governo brasileiro também pediu ao Paraguai a lista com os nomes dos 76 integrantes do grupo.

Antes de decidir pelo bloqueio da fronteira, Moro já tinha afirmado que o governo federal estava trabalhando junto com os estados para impedir a entrada dos detentos no Brasil.

O Governo do Paraná colocou as forças de segurança estaduais à disposição do Ministério da Justiça e Segurança Pública para reforçar os trabalhos de localização e captura dos fugitivos da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

O Paraná é sede do Centro Integrado de Operações de Fronteira, programa pioneiro no Brasil para atuação integrada e combate ao crime organizado.

Policiais da unidade estão em contato com o Ministério da Justiça desde as primeiras horas deste domingo para reforçar o trabalho de inteligência das forças de segurança nacionais e paraguaias – o Acordo do Comando Tripartite, entre Brasil, Argentina e Paraguai, facilita esse intercâmbio.

A unidade atua desde dezembro de 2019 em três frentes: operações ostensivas, auxílio das investigações em curso e combate às facções criminosas. Estão à disposição das equipes federais e estaduais imagens de satélite e câmeras estratégicas dos municípios paranaenses e do Estado.

O ministro do Interior, Euclides Acevedo, destacou que a principal hipótese que é tratada em torno do que aconteceu na prisão de Pedro Juan Caballero é que houve “uma libertação de prisioneiros”.

Ele acrescentou que o túnel era “uma tela” e que a maioria provavelmente saía pela porta da frente ou em vans durante o decorrer da semana, de modo que a cumplicidade dos agentes é evidente

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.