Conectado com

Agricultura

Funcionários da Adapar aprovam greve para a partir de segunda-feira

Os funcionários da Adapar aprovaram greve a partir do dia 22 de novembro caso a direção da Adapar mantenha a proposta de plano de carreira entregue em projeto de lei à Secretaria da Agricultura.

A deliberação pela greve foi aprovada em assembleia virtual realizada ontem (16)  conjuntamente por Sindefesa e Senge-PR.

O Sindivet e o Sintag também devem aderir à paralisação, após reunião específica.

A paralisação ocorre porque o anteprojeto de Lei – “APL feito pela Direção da Adapar” não contou com a participação e aprovação da categoria.

Na AGE de ontem (16)  336 servidores aprovaram a greve; dois  foram contra e 7 se abstiveram.

Dos 385 presentes na assembleia virtual, 345 votaram para aprovar tanto a paralisação, caso a negociação não seja retomada, como o envio de uma carta aos deputados estaduais e iniciativa privada com cópia do anteprojeto.

O APL dos funcionários  da Adapar promove adequações e atualizações na lei que criou a carreira, busca modernizar a Agência e prepará-la para conquistar novos mercados que melhor remuneram, tendo em vista a recém reconhecimento Internacional do Paraná como “Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação”.

Neste sentido, os servidores APL solicitam melhorias na remuneração, pois além de não terem a reposição da inflação acumulada em 29,52%, os servidores da Adapar recebem quase metade do que Santa Catarina ,  maior concorrente nas exportações do Agronegócio, paga aos seus funcionários .

 

 

Continue Lendo
Publicidade

Agricultura

Produtores de trigo deverão ter dificuldades para plantar a safra de 2022

Os produtores de trigo do Paraná devem encontrar dificuldades para plantar a safra 2022, pois há vários fatores que devem influenciar diretamente a área a ser plantada no próximo ano.

 

Um dos problemas é a concorrência com o milho 

 

Essa previsão é feita pelo Departamento de Economia Rural, da Secretaria de Agricultura do Estado, e um deles é o plantio da soja no período ideal.

Segundo o Deral, diferentemente do plantio anterior, a oleaginosa foi semeada antecipadamente neste ano, possibilitando o plantio da segunda safra de milho de maneira mais satisfatória, o que favorece a ampliação da área do milho frente ao trigo.

A este motivo agronômico soma-se um financeiro, pois a relação de preços entre milho e trigo favorece fortemente o plantio de milho, que tem custos menores e produtividades maiores.

Estima-se que os preços do trigo devam estar aproximadamente 70% maiores que os do milho para favorecer o primeiro, ante 13% observados atualmente.

Além disso, de acordo com o Departamento de Economia Rural, existe ainda um fator mais preocupante: a elevação do de produção do trigo exige uma produtividade alta para compensá-los.

Os dados de novembro do Deral apontam um aumento nos custos de 21% no último trimestre e de 73% nos últimos 12 meses, atingindo 4 mil, 223 reais e 27 centavos por hectare.

A preços de hoje, seriam necessárias 48 sacas de trigo para empatar o desembolso, onerado especialmente com combustíveis e fertilizantes.

Como referência, desde 2016 a produtividade média do Paraná não atinge esse volume, ficando em média em 42 sacas por hectare nos últimos cinco anos.

 

Com informações Globo Rural

Continue Lendo

Agricultura

Falta de chuvas começa a prejudicar lavouras na microrregião de Marechal Rondon

Depois de um mês de outubro bastante animador em função das chuvas freqüentes, a agricultura praticada na microrregião de Mal. Cândido Rondon voltou a se preocupar com as condições climáticas adversas.

 

Em praticamente todo o Estado as precipitações ficaram abaixo da média histórica, principalmente no Oeste, cuja falta de umidade no solo e as temperaturas elevadíssimas estão causando perdas nas lavouras.

Além de as chuvas terem sido ínfimas em novembro e neste começo de dezembro, as altas temperaturas estão provocando elevadas taxas de evaporação do solo e intensificaram o déficit hídrico.

O cultivo e incorporação de plantas de cobertura em sistema de plantio direto melhoram os atributos físicos e químicos do solo, favorecendo o aumento de infiltração e armazenamento da água.

Essa prática também aprofunda as raízes da cultura, reduz a temperatura e a evaporação do solo e mantém a água disponível para as plantas em períodos de estiagens fracas e moderadas.

Apesar do sistema ser unanimidade entre os produtores,  os efeitos negativos da falta de chuvas estão sendo bastante sentidos em várias lavouras e as previsões climáticas não são das mais alentadoras.

Como integrante da Comissão Técnica de Cereais do Sistema FAEP/SENAR e membro da diretoria do Sindicato Rural de Mal. Cândido Rondon, o agrônomo Cevio Mengarda, analisa a situação…

 

Continue Lendo

Agricultura

Safra de Inverno de 2022 será impactada por elevados custos de produção

Uma tempestade perfeita formada por problemas logísticos, políticos, climáticos e energéticos vai impactar severamente o custo de produção de grãos na próxima safra de inverno, em 2022.

Isso porque o produtor rural vai encontrar um cenário adverso na hora de comprar fertilizantes minerais, com preços bem acima em relação há um ano.

O único alento é que, segundo analistas de mercado, não vai faltar fertilizante.

 

 O alento é que não deverá faltar fertilizantes 

 

Em cada cadeia produtiva dos fertilizantes houve um impasse diferente que impactou a produção e o fornecimento nos principais países produtores.

Sobre tudo isso ainda paira a sombra da pandemia do novo coronavírus, que trouxe desajustes, incertezas e ajudou a tornar este caldo ainda mais turvo.

Para se ter ideia da variação desses insumos, em setembro de 2020, o gasto com fertilizantes em uma lavoura de soja na região de Londrina era de R$ 620 por hectare.

No mesmo mês deste ano, esse custo mais do que dobrou, passando para R$ 1.323.

Com isso, o peso dos fertilizantes no custo operacional desta lavoura passou de 20% para 31%, em 12 meses.

Segundo o presidente da Comissão Técnica de Cereais, Fibras e Oleaginosas da FAEP, José Antonio Borghi, o aumento no preço dos fertilizantes impacta fortemente o custo de produção de grãos no Estado.

Quando analisado o poder de troca do produtor rural, a situação também piorou no último ano.

Em agosto de 2020 eram necessárias 16,6 sacas de soja para realizar a troca por uma tonelada de cloreto de potássio.

Em agosto deste ano, essa relação era de 22,66 sacas por tonelada do produto.

Com o superfosfato simples essa relação passou de 11,6 sacas por tonelada para 14,8 sacas/toneladas e com a ureia não foi diferente, saiu de 19,6 sacas/toneladas para 22,6 sacas/toneladas.

As razões para esta escalada de preços têm origem no outro lado do globo, especialmente em função do aumento abrupto do preço das commodities agrícolas ocorrido durante a pandemia.

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.