Conectado com

Agricultura

IDR-Pr orienta produtores sobre Aveia como opção de inverno

Técnicos mencionam que cultivo  exige uso de sementes certificadas

 

A aveia é uma alternativa para produtores que desejam ter pasto, feno ou cobertura para o solo durante o inverno.

A cobertura vegetal produzida pela aveia também é fundamental para a manutenção do sistema de Plantio Direto e além disso, o produto também é usado para a produção de grãos.

Apesar dos benefícios que a cultura oferece, o uso de sementes certificadas no Paraná ainda é baixo, chega a 10% da área cultivada com a espécie, no Estado, segundo a Associação Brasileira de Sementes e Mudas.

Especialistas alertam que o uso de sementes próprias pelos produtores pode comprometer o cultivo de aveia com a introdução de doenças, pragas, plantas invasoras, além de comprometer o rendimento da aveia.

O IDR-Paraná atualmente dispõe de três variedades tardias que podem ser cultivadas sozinhas ou em sementes.

Normalmente esta última prática é indicada para a produção de cobertura verde que, posteriormente, tem a função de formar uma camada de massa morta que traz benefícios como a manutenção da umidade do solo, menor infestação de plantas daninhas e a redução da erosão.

De acordo com o IDR-Paraná, na safra 2019, a produção nacional dessas variedades de aveia chegou a aproximadamente 908 mil toneladas.

Porém, somente cerca de 200 mil toneladas foram usadas na alimentação humana.

No Paraná a área com aveias graníferas, para a produção de grãos, chega a 81.900 hectares, sendo o segundo cereal de inverno mais plantado no Estado.

A Comissão Brasileira de Pesquisa de Aveia indica 14 variedades, sendo que duas delas são do IDR-Paraná.

A IPR Afrodite é altamente produtiva e mais adequada à indústria processadora por apresentar facilidade para ser descascada.

Outra variedade disponível é a IPR Artemis, também com boa capacidade de descasque e resistente à ferrugem, principal patógeno da aveia.

Continue Lendo
Publicidade

Agricultura

Deral monitora a evolução da colheita do trigo no Paraná

Relatório do  Departamento de Economia Rural, da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento,  a respeito do o avanço na colheita do trigo no Paraná, divulgado ontem, menciona  que o trabalho foi  consistente, com crescimento de 16 pontos porcentuais em relação ao que se verificava havia duas semanas.

O levantamento mostra que já foram colhidos 74% da área total de trigo paranaense, estimada em um milhão, duzentos e dez mil hectares.

De acordo com o engenheiro agrônomo Carlos Hugo Godinho, responsável pelo acompanhamento da cultura do trigo no Deral, com condições climáticas mais propícias, se espera que o processo seja acelerado ainda mais, reduzindo o pequeno atraso que se verifica e possibilitando que se posicione mais próximo da média para este período do ano…….

 

Sobre a soja, o Deral aponta que foram plantados dois milhões e cem mil hectares, ou seja, 38% da área total estimada em 5 milhões e 600 mil hectares.

As chuvas regulares ajudam também no bom desenvolvimento das plantas e da mesma forma, os produtores de milho impulsionaram os trabalhos e já estão com 371 mil hectares semeados.

A previsão é de que a área total para este ciclo seja de 420 mil hectares.

As condições gerais das lavouras são boas para 96% da área, enquanto os 4% restantes estão em situação mediana.

A análise do Departamento aponta, ainda, que as chuvas ajudaram nas atividades de plantio e manejo do feijão.

O primeiro ciclo da safra 2021/22 está com 76% da área plantada.

Os técnicos de campo do Deral detectaram que 78% se encontram em fase de desenvolvimento vegetativo, 19% em germinação e 3% em floração, a maioria em boas condições.

O Paraná está na entressafra da colheita da batata, com expectativa que o trabalho comece em novembro.

A área é de 15 mil hectares e 93% estão em boas condições.

Para a mandioca também há previsão de que os trabalhos de campo sejam retomados a partir desta semana e os produtores poderão dar continuidade à colheita e ao plantio.

Continue Lendo

Agricultura

IDR divulgará resultados obtidos no Manejo Integrado de Pragas

O Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater, o IDR-Paraná, e a Embrapa divulgam na próxima terça-feira, a partir das 08h30,  os resultados obtidos por produtores que adotaram o Manejo Integrado de Pragas, o Manejo Integrado de Doenças e a Fixação Biológica de Nitrogênio na safra de soja 2020/2021.

 

Durante o evento, o Instituto vai iniciar o sistema Alerta Ferrugem, que auxilia técnicos e produtores sobre o melhor momento para fazer o manejo da ferrugem-asiática da soja.

O evento vai ser online, transmitido pelos canais no YouTube do IDR-Paraná e da Embrapa Soja.

Vão participar o secretário de Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara; o presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza, e do chefe-geral da Embrapa Soja, Alexandre Nepomuceno, além de pesquisadores e extensionistas do programa.

Com ações conjuntas, iniciadas ainda na década de 1980, as instituições rurais inovaram no processo de transferência de tecnologias com a capacitação de extensionistas, instalação de unidades de referências junto aos agricultores e publicações dos resultados.

O diretor de Extensão Rural do IDR-Paraná, Nelson Harger, comenta a respeito do evento….

 

Continue Lendo

Agricultura

Marechal Rondon deve concluir nesta semana o plantio da safra de soja

O plantio da safra de soja 2021/22 já está praticamente encerrado em Marechal Cândido Rondon.

Em torno de 97% das lavouras já foram semeadas e o restante deve ser concluído nesta semana.

 

 O clima está favorecendo o desenvolvimento das plantas 

 

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Marechal Cândido Rondon, Edio Chapla, na primeira janela de plantio a semeadura avançou para 45% até o dia 1 de outubro contra apenas 2% na safra anterior.

O dirigente destaca que, uma nova janela após o dia 12 de outubro, deu condições para mais avanços no plantio da soja.

Até agora o desenvolvimento das lavouras é positivo e a expectativa é de safra boa na região, com as previsões de clima apontando condições favoráveis ao desenvolvimento das plantas.

A recomendação é para o produtor focar agora na aplicação de herbicidas e fungicidas para manter este alto potencial produtivo.

Outro ponto positivo desse adiantamento é que a janela de plantio para o milho segunda safra em 2022 será mais favorável e pode resultar em maiores produtividades.

Edio Chapla destaca que neste momento os produtores optam por segurar um pouco as negociações futuras, apostando em esperar novas movimentações dos preços até a hora da colheita e acompanham de perto a situação logística na entrega de insumos.

O presidente do Sindicato Rural de Marechal Cândido Rondon acrescenta que para esta safra de soja está tudo dentro do normal e que as compras para a safrinha de milho/2022 também estão adiantadas.

Para a safra 2022/2023 uma das grandes preocupações é com a possibilidade de faltar insumos para a agricultura regional.

 

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.