Conectado com

Agricultura

Pandemia não tira o Paraná da trilha do reconhecimento de área livre de aftosa

A pandemia do novo coronavírus não tirou o Paraná da trilha de um objetivo que vem perseguindo há décadas: o reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação.

Estado aguarda resultado da sorologia encaminhada ao Ministério da Agricultura

Apesar das mais diversas restrições e dificuldades impostas pelo controle dos casos de Covid-19, o Estado se adaptou e vem conseguindo dar prosseguimento ao cronograma da Organização Mundial de Saúde Animal.

Com o cumprimento de todas as etapas, o reconhecimento oficial do novo status sanitário do Paraná deve ocorrer em maio de 2021, durante assembleia-geral da OIE.

Conforme Ágide Meneguette, presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR, “será o coroamento de um esforço de consolidação do sistema sanitário do Paraná como um dos mais robustos do país pois todo esse processo só foi possível porque as iniciativas pública e privada deram as mãos e somaram esforços, conjuntamente”.

Em junho deste ano, o Estado deu mais um passo em direção à conquista do almejado status sanitário, quando técnicos da Agência de Defesa Animal concluíram a coleta de amostras de 10 mil animais, em 330 propriedades rurais paranaenses.

Este material foi enviado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que fará a análise ao longo de um inquérito soroepidemiológico, que tem por objetivo avaliar se há circulação viral de febre aftosa nos limites do Paraná.

Para que o Estado dê prosseguimento ao processo, agora, um ano depois da última campanha de imunização contra a aftosa, o inquérito soroepidemiológico precisa apontar que não há circulação do vírus por aqui.

Com a conclusão das análises, o relatório é encaminhado à OIE, em agosto.

A partir de então, a OIE deve se manifestar sobre o processo até novembro. Se houver adequações ou intervenções, elas devem ser feitas em dezembro.

Continue Lendo
Publicidade

Agricultura

Congresso garante base de cálculo justa para contribuição das cooperativas

Nos últimos tempos a Bancada Ruralista do Congresso Nacional trabalhou na tentativa de resolver um problema que “afetava em cheio” as cooperativas e os associados integrados.

Ocorre que, numa interpretação da Receita Federal do Brasil, o produtor integrado a uma cooperativa teria que pagar até 10 vezes mais de contribuição em comparação ao integrado de uma empresa do setor.

Deputados e senadores ligados ao agronegócio sempre consideraram essa questão “injusta”, uma vez que a contribuição do Funrural deve ser igual para todos os agricultores.

Ontem, segundo o deputado federal Sérgio Souza, do MDB, o Congresso Nacional conseguiu uma importante vitória em defesa dos interesses dos produtores integrados a cooperativas…

 

Continue Lendo

Agricultura

Entidades se mobilizam contra a cigarrinha da safra verão

Tomando por base números do ano passado, onde apesar da boa produtividade ocorreram, principalmente na região Oeste Paranaense, em lavouras de milho safrinha ocorreram perdas significativas em sua produtividade devido a problemas fitossanitários.

Esse fato se repetiu na safrinha deste ano e vem preocupando agricultores, assistência técnica e a Defesa Agropecuária do Estado.

Para averiguar a causa do problema, de tombamento e morte súbita de plantas, uma equipe da Embrapa Milho e Sorgo esteve em municípios da região no ano passado, inclusive em Marechal Cândido Rondon e Mercedes.

Na ocasião os pesquisadores observaram alta incidência da cigarrinha do milho e sintomas típicos dos enfezamentos, além de tombamento e morte súbita de plantas.

Por conta disso, entidades se mobilizaram e durante uma reunião realizada ontem, lançaram uma campanha chamando a atenção dos agricultores, para a necessidade de eliminar plantas voluntárias de milho, presentes na lavoura.

Quem fala a respeito é o presidente do Sindicato Rural Patronal, Edio Chapla…

 

Continue Lendo

Agricultura

Lideranças discutem reconhecimento internacional do Paraná pela OIE

Encontro ocorreu por videoconferência com o objetivo de discutir questões ligadas à sanidade animal

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, e o diretor-presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, Otamir Cesar Martins, estiveram reunidos com lideranças do setor produtivo paranaense, entre as quais o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti.

O encontro ocorreu por videoconferência com o objetivo de discutir questões ligadas à sanidade animal e contou também com a participação de representantes do Ministério da Agricultura, Faep, Sindiavipar, Sindicarne, Fundepec e da Frimesa.

Um dos pontos em debate foi resultado do inquérito soro-epidemiológico do rebanho bovino do Estado, iniciado pela Adapar na segunda quinzena do mês de maio.

Trata-se de uma das últimas providências para o reconhecimento internacional do Paraná como Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação pela Organização Mundial da Saúde Animal, prevista para ocorrer em 2021.

O inquérito foi concluído com a coleta de 10 mil amostras em 330 propriedades rurais do Estado.

Na videoconferência, foram tratados sobre os próximos passos dentro do processo de reconhecimento internacional do Paraná como Área Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação, legislação e, ainda, peste suína clássica, brucelose e tuberculose.

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.