Conectado com

Geral

Prefeitura responde pedido de lockdown realizado pelo MP, afirmando não ser necessária a adoção de medidas drásticas

No documento, a administração destaca como lamentável e infeliz a afirmação de que o Município de Cascavel seria responsável por colapsar o sistema de atendimento

A Prefeitura de Cascavel protocolou na noite desta terça-feira (16) a petição de resposta ao cumprimento de intimação que havia sido solicitada pelo Ministério Público, qual pede à Justiça, a adoção do lockdown – fechamento completo – em Cascavel.

O MP, ontem, segunda-feira (15), protocolou um pedido para que a Justiça determinasse imediatamente o lockdown na cidade de Cascavel.

O documento foi assinado por cinco promotores: Angelo Ferreira, Luciano Machado de Souza, Alex Fadel, Guilherme Carneiro de Rezende e Guilherme Gomes Pedrosa Schimin.

Os promotores alegaram que desde o último pedido apresentado, que acabou rejeitado, o quadro em Cascavel se agravou muito. Para eles a situação passou de “risco hipotético” para “risco concreto”.

“Explicamos: a principal característica da pandemia de Covid-19, é sua capacidade de ‘explosão de casos’ em dado momento. Por melhor que seja a estrutura sanitária disponível, se o número de casos novos explode, ou seja, acontece de forma descontrolada em curto espaço de tempo, o colapso é inevitável e, as mortes se multiplicam”, diz o documento, “agora, desgraçadamente, não se trata mais de uma hipótese e sim, a ocorrência presente da explosão de casos”, diz o documento.

Resposta da Prefeitura

Conforme o documento, a Prefeitura avalia que as medidas tomadas até o momento devem amenizar o aumento de casos, solicitando que a Justiça não atenda o pedido do MP.

A administração também contesta os dados apontados pelo Ministério Público, que estariam embasando o pedido de restrição.

O Município de Cascavel, através da Secretaria de Saúde NÃO corrobora com os apontamentos do Ministério Público sugerindo a aplicação de período restritivo mantendo apenas serviços essenciais no período de 10 a 21 de junho, uma vez que, desde o dia 26 de fevereiro a Secretaria de Saúde tem realizado o monitoramento diário da situação, inclusive com a ativação do COE – Centro de Operações de Emergência nesta data, que vem se reunindo semanalmente ou sempre que necessário para discussão dos assuntos relacionados a saúde nesta pandemia.

No documento, o procurador da Prefeitura, Luciano Braga Cortes, destaca que a prefeitura está avaliando semanalmente, inclusive com a inclusão do COE (Centro de Operações de Emergência), as taxas de confirmações por Covid-19 e também a utilização de leitos de UTI Adulto, para tomar as medidas necessárias para a semana sequente.

Para a classificação RISCO ALTO não se enquadram as medidas de restrição manifestadas pelo Ministério Público, que não usa ou indica nenhum argumento científico, estatístico, técnico ou coerente para tal afirmação, uma vez que, baseia-se em estáticas de um matemático que parte de premissa errada para alcançar usa conclusão, sem que sejam analisados dados como o número de recuperados, a taxa de letalidade, a taxa de pacientes que agravam, entre outros, o que serve, com o devido respeito, somente para gerar desconfiança e medo junto a sociedade.

Ainda conforme a resposta, a administração destaca como lamentável e infeliz a afirmação de que o Município de Cascavel seria responsável por colapsar o sistema de atendimento na macrorregião Oeste.

Em relação à afirmação, o documento traz alguns tópicos que rebatem a afirmação do Ministério Público:

– Cascavel NÃO está sob Gestão Plena do Sistema Municipal, e que a organização de leitos hospitalares é de responsabilidade Estadual, conforme mencionado no preâmbulo desta petição;

– O Sistema de Saúde Público é organizado por regiões e Cascavel é parte dela, seja para receber pacientes de outras cidades; seja para enviar pacientes para outras cidades, conforme mencionado no preâmbulo desta petição;

– Antes mesmo da pandemia, Cascavel sempre teve uma taxa de ocupação de leitos de UTI adulto de aproximadamente 100%, e não é difícil encontrar nas mídias as informações de que pacientes aguardavam nas UPAs por dias até que uma vaga de UTI ou leito de enfermaria fosse liberado pela Central de Regulação de Leitos;

Confirmando afirmações anteriores, a Prefeitura destacou na resposta ao Ministério Público que, se fosse necessária a adoção de medidas drásticas, como o lockdown, elas também deveriam ser repassadas aos demais municípios da 10ª Regional de Saúde.

Por fim, todo o arrazoado do Ministério Público é que, mesmo recebendo o maior número de pacientes de todas as regiões, somente Cascavel deve tomar medidas drásticas de distanciamento e restrições do comércio, enquanto as demais cidades nenhum ônus sofreram ou sofrerão, o que, com a devida vênia, é uma violação aos princípios da isonomia, além de ser desproporcional e não atender a razoabilidade. Mesmo que Cascavel adote coercitivamente medidas rígidas de distanciamento social, e não haja paralisação de forma regional, a contaminação continuará a se expandir, tendo pacientes de outros municípios utilizando o sistema de saúde público em Cascavel.

Confirmando que não realizará a concessão da tutela antecipatória requerida pelo MP, o documento também destaca que a saúde econômica do município não deve ser negligenciada pelo Poder Público, pois também faz parte da saúde pública.

A Petição foi anexada ao processo que seguirá sob a análise e conclusão do Juiz.

Continue Lendo
Publicidade

Geral

Jovem de 20 anos morre após ser arrastada por cavalo

Foto: Oeste Agora

A menina e uma amiga passeavam a cavalo por uma estrada rural

Essa tragédia aconteceu nesta sexta-feira, 19 de abril, quando Júlia Andryeli Nunes Lima, de 20 anos, sofreu um acidente enquanto passeava com a sua égua, Zara, na área rural de Dom Armando, Missal, na companhia de uma amiga, que montava outro cavalo.

Segundo relatos de testemunhas, Zara teria se assustado e disparou. Júlia teria ficado presa pelo pé no estribo e arrastada por mais de um quilômetro pela estrada de terra. Apesar da rápida resposta do SAMU, Júlia foi declarada morta no local.

A amiga que a acompanhava entrou em estado de choque e precisou ser internada no Hospital Nossa Senhora de Fátima, em Missal. A Polícia Militar isolou o local do acidente até a chegada da equipe de perícia e remoção da Polícia Científica.

Júlia, morava em Sub Sede, Santa Helena e deixa para trás uma filha de dois anos, e sua memória será lembrada por todos que a conheceram e pelo carinho especial que tinha com a égua Zara, que fazia questão de compartilhar nas redes sociais.

 

Fonte:  Oeste Agora.

 

Continue Lendo

Geral

Igreja Congregacional do Brasil realiza Bazar dos Trocados amanha

A Igreja Evangélica Congregacional do Brasil (IECB), de Marechal Cândido Rondon realizará neste sábado, a 12° edição do Bazar dos Trocados, das 9 as 13 horas, na sede da igreja.

Serão comercializados roupas (masculino, feminino e infantil), calçados e utilidades doméstica com valor simbólicos, conforme destaca o vice-presidente de eventos da Igreja Congregacional do Brasil, Vanderlei Britzke…

 

Continue Lendo

Geral

Comunidade Show domingo no Primavera terá o projeto Brincando no Bairro

Neste domingo, inicia o roteiro do maior programa dos bairros e distritos de Marechal Rondon, o “Comunidade Show”.

O primeiro evento será no Jardim Primavera, tendo por local a Associação de Moradores, onde serão ofertados serviços gratuitos no horário das 9 da manha ao meio-dia, com o sorteio de muitos prêmios.

Para participar, basta estar no evento, preencher cupom e torcer.

Outro atrativo do “Comunidade Show” para domingo agora no Primavera, será a presença do projeto Brincando no Bairro, da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer.

Diversos brinquedos serão disponibilizados para a criançada no horário das 9 às 12, e das 14 as 19 horas, todos gratuitos, conforme comenta o secretario rondonense de esportes, Diogo Schneider, o Bolha…

 

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.