Conectado com

Agricultura

Toledo lidera novamente o VBP paranaense. Mal Rondon é o 5º do ranking estadual

Pelo sétimo ano consecutivo, Toledo aparece na liderança do ranking estadual do Valor Bruto da Produção Agropecuária , consolidando sua condição de “Capital Paranaense do Agronegócio”.

De acordo com a prévia divulgada nesta semana pela Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento, o faturamento total das propriedades rurais instaladas no município foi de 2.689.201.231,78 em 2019.

Isso significa um crescimento absoluto de 475.004.736,20 , ou seja, 21,45% a mais em relação ao ano anterior.

Os grandes “motores” do agronegócio toledano são as cadeias da suinocultura e da avicultura, incluindo produção de ovos, assim como os grãos, que são componentes da ração que alimenta frangos e porcos, que também ocupam papel de destaque na formação do VBP.

Falando ainda em proteína animal, merecem menção a produção de 84 milhões 206 mil litros de leite e de 11.350 toneladas de tilápia.

O prefeito de Toledo, Lucio de Marchi, comemora o resultado, pois mesmo num cenário em que não é mais possível ampliar a área para cultivo, o avanço tecnológico nas propriedades em várias culturas está promovendo este salto de produtividade.

Além de Toledo, outros quatro municípios da área de abrangência do escritório regional da Seab estão entre os dez maiores VBP do Paraná:

Marechal Cândido Rondon ocupa o 5º lugar, com 1.159.331.346,25; Santa Helena em 6º, Assis Chateaubriand em 8º e Palotina em 9º lugar do ranking.

 

Continue Lendo
Publicidade

Agricultura

Sergio Souza é eleito presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária

Numa reunião ontem a tarde o deputado federal Sérgio Souza , do MDB do Paraná,   foi eleito novo presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária e  vai coordenar os trabalhos do colegiado durante os próximos dois anos.

O parlamentar atuava até então como vice-presidente da Frente e substitui o deputado federal Alceu Moreira, do MDB do Rio Grande do Sul.

Ao assumir a direção da Frente, Souza apontou que os principais desafios a serem enfrentados são o estabelecimento de maior segurança jurídica para produtores e uma construção da “real” imagem do agronegócio brasileiro perante o mundo.

Para o congressista, impera no Brasil e em outros países uma visão distorcida sobre o setor e portanto é necessário que a população saiba a importância do agro do Brasil, não só para o país, mas também para o planeta…

 

Outro objetivo do colegiado  segundo ele,   é estreitar laços comerciais com a China, já que as necessidades dos dois países são as mesmas, pois  a maior preocupação do chinês hoje é a segurança alimentar e nenhum país do mundo tem como dar essa segurança para eles igual ao Brasil.

 

Continue Lendo

Agricultura

Líder sindical rondonense teme pelo eventual fim da Tarifa Rural Noturna

A Federação da Agricultura do Estado do Paraná enviou nesta semana um ofício ao governador Ratinho Jr. e deputados estaduais pedindo que o Programa Tarifa Rural Noturna seja incluído no orçamento de 2021.

 

 

O projeto de lei orçamentária encaminhado pelo governo estadual à Assembleia Legislativa do Paraná não contempla a Tarifa Rural Noturna, o que coloca em risco a continuidade do programa – que prevê desconto de 60% na cobrança da energia elétrica de produtores rurais, entre 21h30 e 6h.

O eventual fim do Tarifa Rural Noturna pode inviabilizar algumas atividades agropecuárias, que têm na energia elétrica um dos seus principais insumos.

De acordo com o presidente da FAEP, Ágide Meneguette, a descontinuidade do Programa Tarifa Rural Noturna representará um duro golpe a produção agropecuária paranaense.

Criado pela Lei 19.812, de 2019, o TRN é um programa estadual, que, segundo dados da Companhia Paranaense de Energia pode beneficiar até 77.500 propriedades rurais ou estabelecimento agropecuários, que pode, de acordo com estudo da FAEP, atingir mais de 1 milhão de pessoas, considerando a contratação de 2,3 funcionários por propriedade, sendo as famílias compostas, em média, por seis pessoas.

A iniciativa é determinante para atividades, como a avicultura, suinocultura, bovinoculturas de leite e de corte, fumicultura, aquicultura e sericicultura, que demandam uso intenso de energia elétrica.

No caso da avicultura, por exemplo, a energia elétrica chega a representar 20% dos custos de produção – principalmente, para manter o controle de ambiência dos aviários.

As alterações podem trazer impactos diretos e expressivos à cadeia, que representa 63% do Valor Bruto de Produção da pecuária do Paraná, o que corresponde a 21 bilhões e 900 milhões de reais por ano.

Envolvido diretamente nesta luta em prol da continuidade do Programa Tarifa Rural Noturna, o presidente do Sindicato Rural Patronal de Mal. Cândido Rondon, Êdio Chapa, manifesta preocupação…

Continue Lendo

Agricultura

Adapar quer que agricultores não se descuidem com a cigarrinha do milho

Foto: Portal Syngenta

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná está procurando dar condições para que os agricultores consigam melhor combater a incidência da “cigarrinha” nas lavouras de milho.

Uma das iniciativas importantes do órgão estadual é o aplicativo MonitoraMilho, que  ajuda a identificar onde há presença do milho tiguera e de cigarrinhas no Estado.

Quem volta a prestar esclarecimentos a respeito é o Supervisor Regional da Adapar de Toledo, Antônio Carlos Dezaneti…….

 

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.