Conectado com

Política

Processo de cassação do vereador Nilson Hachmann será votado nesta quinta-feira

Assessoria

A Câmara Municipal de Marechal Cândido Rondon marcou para esta quinta-feira, as 18h00, a sessão extraordinária para votação do processo disciplinar envolvendo Nilson Hachmann.

 

O parecer da comissão é a favor da perda de mandato 

 

O vereador do PSC, que está afastado do cargo desde maio por decisão judicial, pode ter o mandato cassado.

Para que isso aconteça, pelo menos 09 dos 13 vereadores devem votar a favor da cassação.

A Comissão de Ética que atua neste caso é formada por Vanderlei Sauer, presidente; Arion Nasihgil, relator; e Adriano Cottica, como membro.

O parecer da comissão é a favor da perda do mandato, a votação será secreta e na defesa do acusado atua o advogado Marcio Berti.

Nilson Hachmann responde por quebra de decoro parlamentar, acusado de utilizar empresas jurídicas em nome de terceiros, mas que seriam de propriedade dele, para participar de processos licitatórios e fazer venda direta à Prefeitura, o que é proibido pela Constituição Federal e pelo Código de Ética Parlamentar do Município.

A denúncia foi protocolada no Poder Legislativo em 28 de fevereiro deste ano pelo vereador Josoé Pedralli.

Além de responder na Comissão de Ética, ele é réu na Justiça, que determinou o afastamento dele do cargo de vereador até a conclusão do processo criminal.

Por ser o denunciante, Josoé Pedralli não participará da sessão.

Para ocupar o seu lugar na votação a Câmara de Vereadores deverá convocar a suplente Maria Amália Ritt Haab.

Caso Nilson Hachmann seja cassado, o suplente Valdecir Schons, o “Paleta”, assumirá a vaga em definitivo.

Desde junho, “Paleta” já desempenha o cargo de vereador em razão do afastamento de Nilson, ocorrido por determinação judicial.

Política

Prefeito de Entre Rios do Oeste fala da obra de recuperação da rodovia PR 495

 

Continue Lendo

Geral

Janela para trocas partidárias termina neste final de semana

Em 2020 o primeiro turno das eleições acontecerá no primeiro domingo de outubro dia 4 e o segundo turno no último domingo de outubro dia 25, no entanto, diante da pandemia de Coronavírus as dúvidas ficam no ar, será que as eleições serão realizadas?

Para Tito Campos de Paula, presidente do Tribunal Regional Eleitoral, a ideia principal é manter as eleições normalmente, visto que o calendário eleitoral é determinado pela própria constituição do Brasil.

Entretanto, caso futuramente a situação não estiver normalizada, a Justiça Eleitoral pode adotar outras providências.

Dentre estas providências estaria a decretação de “Estado de Sítio”, qual seja um instrumento burocrático e político em que o presidente da República suspende por um período temporário a atuação dos Poderes Legislativo e Judiciário.

Com relação ao calendário eleitoral, apesar da pandemia do coronavírus, o advogado rondonense João Bersch releva que até agora não houve qualquer alteração…

Continue Lendo

Geral

Bolsonaro comparou o conoravírus a uma chuva que molha, mas não mata

Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro causou duas polêmicas de uma só vez nesta quarta-feira, em entrevista à TV Bandeirantes ao falar sobre o coronavírus.

Primeiro, pediu que as pessoas mais jovens sejam infectadas para que não haja um surto da doença no inverno; e depois, comparou o vírus a uma chuva que molha, mas não mata.

Bolsonaro disse que “Vai morrer mais gente porque haverá um pico de ida aos hospitais”.

Disse ainda que pessoas abaixo de 40 anos contraindo o vírus não vai ter problema, criticando as medidas de isolamento social impostas por governadores: “se a garotada se infectar agora, ela seria uma barreira no futuro para não transmitir o vírus para os mais idosos. É uma conta que você bota na mesa”.

Bolsonaro disse que o vírus “se dá bem melhor no frio” e “todo mundo vai pegar a doença”.

As declarações, contudo, não foram baseadas em evidências científicas e além disso, há registros de pessoas abaixo dos 40 anos morrendo no país.

O presidente ainda comparou o coronavírus a uma chuva que molha, mas não mata. “O vírus é igual a uma chuva. Ela vem e você vai se molhar, mas não vai morrer afogado”.

Acrescentou que “Tem essas pessoas mais fracas. Às vezes a pessoa vive pobre, fraca por natureza, dada a falta de uma alimentação mais adequada e então essas pessoas são as que sofrem mais”.

Bolsonaro também revelou nesta quarta-feira ter se reunido com um grupo de pesquisadores que estuda a atuação da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19.

“A cloroquina é uma realidade, é quase palpável. Falta uma comprovação científica, uma base maior. Parece que está tendo resultados que podem nos levar a uma certeza”, disse.

O próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ainda é cauteloso quanto ao remédio.

 

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.