Conectado com

Agricultura

Soja cai no Brasil sem demanda chinesa

Os prêmios nos portos brasileiros voltaram a cair mais 3 cents/bushel

 

Segundo apurou a pesquisa diária do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da USP), os preços da soja no mercado físico brasileiro fecharam a quarta-feira (11.09) com preços médios da soja nos portos do Brasil sobre rodas para exportação cando 0,78%, para R$ 85,35/saca, contra R$ 86,02/saca do dia anterior. Assim, o acumulado no preço de exportação em setembro voltou a aumentar a queda para 3,58%, contra 2,82% do dia anterior.

 

“A queda de 0,61% nas cotações da soja em Chicago somada à queda de 0,76% do dólar no Brasil, nesta quarta-feira, mais a continuada ausência da China fez os preços da soja continuarem a cair no Brasil. Com isto, os preços médios que os compradores puderam oferecer sobre rodas nos portos brasileiros devolveram a alta do dia anterior”, explica o analista da T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Pacheco.

No mercado físico os preços atingiram R$ 85,00 (contra R$ 88,00 do dia anterior) em Paranaguá e R$ 85,30 (contra 87,00 do dia anterior) em Rio Grande. Já no mercado interno o preço também caiu, mas menos, somente 0,09% para a média de R$ 79,80/saca, contra R$ 79,87/saca do dia anterior. Com isto o acumulado do mês de setembro no interior aumentou as perdas para 2,99% (2,91%). No mercado físico doméstico o preço em Passo Fundo caiu para R$ 82,00/saca, contra R$ 83,50/saca do dia anterior.

“Com a nova postura da China, anunciada ontem e confirmada por Trump nesta quarta-feira, a demanda por soja no Brasil voltou a enfraquecer cerca de 3 cents/bushel, equivalente a um dólar/tonelada. Com isto, arrefeceram as compras chinesas no Brasil, por enquanto. Os prêmios nos portos brasileiros voltaram a cair mais 3 cents/bushel”, conclui Pacheco.

 

Fonte: Agrolink

Continue Lendo
Publicidade

Agricultura

Paraná espera resultados rápidos com o fim da vacina contra a aftosa

As autoridades ligadas ao setor de sanidade animal estão empenhadas no sentido de alertar os pecuaristas sobre a importância da atualização dos rebanhos existentes no Estado.

Devem ser atualizados os números relativos a bovinos, búfalos, ovelhas, cabras, suínos, cavalos, jumentos mulas, aves e peixes.

Com o fim das campanhas anuais de vacinação contra a aftosa, foi estabelecido o dia 30 de novembro como data limite para a atualização dos cadastros junto a Adapar.

Isso faz parte de processo que, desencadeado a partir do fim da vacinação, poderá trazer resultados positivos ao Paraná, conforme o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken…

 

Continue Lendo

Agricultura

Suinocultura vive bom momento mas precisa aumentar consumo interno

Com momento favorável no mercado internacional, produtores de suínos precisam deixar de lado o lucro a curto prazo e investir mais para modernizar a atividade.

No seminário anual dos produtores de suínos realizado pela Copagril na semana passada, o tema central foi mais uma vez a biosseguridade, considerando agora o bom momento no mercado mundial.

Está muito claro para as principais lideranças do setor, que a cadeia de suínos produz com qualidade e competitividade, mas precisa, com urgência, implementar estratégias eficientes para transformar estas vantagens competitivas em ganhos de mercado.

Experiências bem-sucedidas em outros países comprovam que é necessário organizar e investir concretamente, para assegurar um consumo crescente e constante, que não dependa de imprevistos ou episódios sanitários como os vividos atualmente pela China e outros países.

Num recente seminário de especialistas e pesquisadores, realizado em Foz do Iguaçu, foi consenso entre os cerca de 350 participantes, que assim como a Rússia desenvolveu sua própria estrutura produtiva, a China, mais cedo ou mais tarde, estará recompondo seus planteis e reduzindo a atual demanda, que aliás está sendo suprida pelo Brasil.

Segundo o professor Geraldo Alberton, especialista em suinocultura pela Universidade Federal do Paraná, campus de Palotina, é preciso aproveitar as oportunidades externas, mas o grande potencial de crescimento está no mercado interno brasileiro e isso exige atenção e investimento pelos suinocultores..

 

Continue Lendo

Agricultura

Apresentados hoje os números da Operação Westcida desenvolvida na região

Divulgação/Mapa

Ação foi desenvolvida para combater os agrotóxicos ilegais no Paraná

Com o objetivo de fiscalizar de forma integrada a receptação, o depósito e o uso de agrotóxicos ilegais sem registro no Ministério da Agricultura, contrabandeados ou falsificados, além de produtos sem origem ou roubados, em propriedades rurais, na fronteira internacional, pontos de ingresso, rodovias, depósitos e comerciantes no Oeste e Sudoeste do Estado do Paraná, foi realizada no período de 04 a 08 de novembro de 2019 a operação WESTICIDA, contra os agrotóxicos ilegais.

A operação coordenada pelo Ministério da Agricultura através da Superintendência Federal de Agricultura no Paraná , foi executada de forma integrada entre o MAPA, a ADAPAR, Ministério Público do Paraná, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente , Instituto Ambiental do Paraná, Polícia Rodoviária Federal , Polícia Militar do Paraná, BPFRON e Policia Ambiental.

Foram 06 ações de fiscalização que aconteceram concomitantemente durante a semana.

Fiscalização integrada em propriedades e comerciantes da região Oeste e Sudoeste e reforço da fiscalização em outras regiões do Estado.

Foram cumpridos 14 Mandados de Busca e Apreensão e fiscalização de 60 denunciados por uso e comércio de agrotóxicos ilegais; fiscalização em 27 barreiras fixas e móveis em rodovias em todo o Estado; fiscalização nos pontos de ingresso e fronteira com o Paraguai, além da distribuição de panfletos educativos aos fiscalizados.

A operação resultou ainda na fiscalização de 440 propriedades rurais, 17 comerciantes de agrotóxicos e 1193 veículos.

Na região Oeste , foco da operação, foram realizadas 359 fiscalizações, com 35 autuações, sendo 34 para produtores rurais, por uso, armazenamento e importação de agrotóxico ilegal e uma para comerciante por armazenamento e comércio de agrotóxico ilegal, totalizando um milhão de reais em multas, além de 09 prisões em flagrante e 15 armas sem registro.

Entre os Mandados de Busca e Apreensão cumpridos, a fiscalização constatou que existe na região um esquema de comércio ilegal de agrotóxicos vencidos e também de produtos roubados, que será investigado no decorrer das análises de documentos e provas apreendidas.

Continue Lendo

(45) 3284-8080
Central telefônica (45) 9997-0083 - (45) 9997-0067
FM 95,1 (45) 9997-0733 | WhatsApp FM (45) 9997-0532
Técnica AM 970 (45) 9997-0740
Copyright © 2019 Radio Difusora do Paraná.